Alvo do funcionário que atirou em colegas e se matou era coordenador do setor na Caixa

Alvo do funcionário que atirou em colegas e se matou era coordenador do setor na Caixa

O funcionário que atirou em duas colegas de trabalho e em seguida se matou no prédio da Caixa Econômica, na Avenida Paralela, no início da tarde desta quarta-feira, 21, em Salvador, tinha como alvo o coordenador do setor onde trabalhava.

O edifício empresarial Dois de Julho foi cenário de pânico para os funcionários da Caixa Econômica. Em informações preliminares cedidas pela Secretaria de Segurança Pública (SPP), Glei Mario de Lemos Leal, era funcionário da Caixa, estava no 15º andar, trabalhando normalmente, quando levantou e começou a atirar nos colegas, em seguida, se matou.

Segundo informações da Superintendência de Telecomunicações (Stelecom), a primeira vítima foi socorrida por policiais da 82ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM), e levada para o Hospital São Rafael, e a segunda vítima recebeu atendimento de primeiros socorros no local e em seguida foi levada pelo Serviço Móvel de Urgência (Samu), para o Hospital Geral do Estado.

Não há informações do estado de saúde das vítimas.

De acordo com informações confirmada pelo do Sindicato dos Bancários, ao A TARDE, Glei Mário, tinha 51 anos e era funcionário do setor de Gerência de Fundo de Garantia da empresa, um local onde trabalham cerca de 50 pessoas.

O presidente do sindicato, Augusto Vasconcelos, identificou as vítimas pelo pré-nome de Marinoélia e Jucilene, sendo a primeira um caso mais delicado, "essa preocupa. Ela está com a bala alojada na cabeça", informou Augusto.

O Diretor do Sindicato dos Bancários da Bahia, César Cotrin, assumiu que o local não tem dector de metal no acesso dos funcionários. Além de afirmar que as vítimas terão assistência prestada.

Anselmo Cunha, Superintendente Regional da Caixa em Salvador e da região metropolitana disse que vai aguardar o laudo policial para informações oficiais.

Policiais do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) fizeram a varredura do local para verificar se há presença de outro atirador.

O Instituto Médico Legal (IML) e o Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) estão no local. De acordo o DHPP, o caso ficará com a Polícia Federal (PF) e a 9ª Delegacia de Polícia (DP) dará apoio.




Veja mais sobre isso